Blog da Amanda

  • Devir Consultório

Onde você está vivendo, no presente ou no futuro?

Atualizado: 31 de jul.

Veja se você se identifica com essa situação.


Você está ensinando o seu filho a dormir ou colocando ele para dormir na soneca e você começa a sentir o coração bater mais forte, uma angústia enorme, boca seca... você começa a entrar em desespero e quer parar na hora aquilo que você está fazendo.


Bom...Eu acabei de descrever uma crise de ansiedade.


Aqui eu estou colocando no contexto do ensinamento do sono, porque isso é uma realidade que acaba aparecendo para mim durante os atendimentos quando as mães estão no processo de desenvolver o hábito do sono com os filhos.


Isso também acontece com mães durante o desenvolvimento dos hábitos de alimentação.


Bom... a partir da descrição dessa crise de ansiedade, eu quero te explicar um pouquinho do por quê essa crise de ansiedade acontece.


A ansiedade é o medo do futuro. Por isso, o ansioso não trabalha com o momento presente, ele trabalha sempre com o futuro.


Então, o problema está aí. Você está vivendo aonde nesse momento, no presente ou no futuro?


Essa é a grande resposta que fará a diferença para que você consiga controlar essas crises e essa ansiedade em si.


Se você projeta o futuro como se ele estivesse acontecendo neste exato momento, você vai vivenciar os sintomas que descrevi lá no início. Deixa eu te dar um exemplo.


Por que você se sente assim?


Primeiro: não saber o que fazer na situação.


Você está lá ao lado do berço ensinando seu filho a dormir e ele começa a chorar. Normalmente, essa crise vai acontecer, porque você já projeta que ele não vai parar de chorar e que você não vai saber o que fazer.


Justamente por não saber o que fazer, essa ansiedade vai vir. Afinal, lembra que você não está vivenciando o presente e sim o futuro.


Segundo: realmente não saber.


Você tenta resolver a situação, pois pesquisou sobre o assunto e você não faz a menor ideia do que te espera.


Então, realmente não saber o que te espera pode, sim, gerar uma crise de ansiedade, já que se o seu filho chorar, levantar, arrotar etc... você não saberá o que fazer. É realmente o desconhecido.


O desconhecido está presente tanto na primeira situação como na segunda. Por que?


Porque o futuro é um desconhecido. A gente trabalha para que as coisas no futuro aconteçam, mas você não sabe o que 100% o que vai acontecer.


Então, em ambos estamos trabalhando com coisas desconhecidas. E o que podemos fazer para diminuir essa ansiedade? Ter conhecimento.


Conhecer. Saber. Observar.


Por isso, é importante quando você for educar o seu filho, seja para comer, dormir, estudar, por exemplo, que você tenha intencionalidade naquilo que você está fazendo.


Quando você tem intenção naquilo que você está fazendo, minimamente essa intenção te pede um conhecimento sobre o assunto e a ação.


Então, a primeira coisa que você precisa para ter essa intenção é conhecer aquilo que você quer aplicar, porque, se não, você vai agir pela intuição.


E essa intuição pode se converter na crise de ansiedade.


Afinal, quando temos intuição, nós não sabemos como as coisas acontecem, como elas se dão. Deixa eu exemplificar para você!


Sabe quando um objeto escorrega da sua mão e antes de cair no chão, você pega? Você consegue explicar de forma intencional o que você fez?


Com certeza não, pois aquilo foi intuitivo e se você tentar repetir, você não irá conseguir. Afinal, você não sabe como você fez.


O problema da intuição é que ela faz com que você não consiga compreender o que acontece, saindo daquele estalo (intuição), diretamente para a conclusão sem a racionalidade (intenção).


Então vamos pensar assim: quando o objeto caiu, você simplesmente pegou pois foi intuitivo. Logo, a conclusão é que num lapso, através da intuição você conseguiu pegar o objeto. Você não consegue explicar como esse movimento foi feito no passo a passo.


O que eu vejo muito nos atendimentos é que muitas mães relatam conseguir em vários momentos fazer o filho dormir, mas elas não conseguem explicar isso, porque não houve uma intenção. Foi o que deu pra fazer naquele momento, foi intuitivo.


E aí, para você conseguir repetir o mesmo processo, você precisa ter intenção. Você precisa pensar para que tenha esse passo a passo e, assim, você consiga repetir e concertar aquilo que estiver no meio do caminho.


Quando você parte da intuição para a conclusão, você não percebe o que você fez. Você não aprendeu o que você fez. Foi, simplesmente, uma resposta automática do seu corpo.


Essas respostas automáticas do corpo que não racionaliza, quando num fluxo muito intenso, elas podem gerar essa crise de ansiedade. Isso porque você está sempre no modo intuição, conclusão, intuição, conclusão.


Na hora que você está numa situação na qual precisa aplicar algo, precisa pensar em como agir, o seu cérebro não está adaptado para isso.


Então, faça esse exercício hoje!


Você quer ensinar algo para o seu filho e isso está te dando crises de ansiedade.


Isso pode ser no seu trabalho, ou em qualquer outro momento em que você precise fazer algo e sinta esses desconfortos todos que eu trouxe aqui.


Liste o passo a passo de como você precisará realizar essa tarefa.


Você listando o passo a passo de como essa tarefa deve ser executada, você verá que você consegue realizá-la de forma intencional e, assim, controlar um pouco melhor algumas variáveis que dependem de você.


Tem coisas que não dependem de nós, mas aquilo que depende de nós, nós precisamos conhecer, entender e compreender como funcionam para que a gente faça de forma tranquila e ordenada, sem projetar no presente o futuro. Combinado?


Deixe aqui o seu comentário e me conta se você tem ou já teve crise de ansiedade e em qual momento ela ocorreu.


Vamos trocar experiências, estou aqui para te ajudar!

0 visualização0 comentário